A joia da coroa

Economiaenegocios Artigos 03 Fevereiro / 2012 Sexta-feira por Décio Baptista Pizzato

Maior banco do mundo durante décadas, o Citigroup quase sucumbiu à crise das hipotecas de alto risco nos Estados Unidos. Só resistiu porque foi resgatado pelo governo americano. Passados mais de três anos do auge da confusão, o banco se reorganizou e definiu como prioridade a atuação nos países emergentes, entre os quais o Brasil. "Naquela época, teve gente que bateu na porta para dizer que tinha interesse na operação brasileira. O banco foi claro: o Brasil não está à venda. Ao lado dos outros emergentes, forma a joia da coroa", relata o presidente do Citi no Brasil, Gustavo Marin."

O trecho acima é um resumo da entrevista concedida ao jornalista Leandro Modé, do Estado de São Paulo, na qual informa sobre os interesses do Citi Group. Como o presidente do Citi falou no Brasil e outros emergentes sem citar quais, fiquemos com o nosso país. Quando o Brasil se tornou independente em 1822, Portugal repassou a dívida que havia feito quando a sede do governo estava aqui na América do Sul. O país nascia endividado. Portanto, não foi um negócio de pai (D.João VI) para filho (D. Pedro I).

Em 1936, o ex-presidente da Academia Brasileira de Letras, Gustavo Barroso, escreveu um livro chamado "Brasil - Colônia de banqueiros". O tema eram os empréstimos tomados pelo país de 1824 a 1934. Tratava-se da dívida externa do Brasil. A mesma que até 2002 bravejavam contra nas ruas. Para os leigos lembro que, embora o ex-presidente tenha dito que a dívida externa não mais existia, ela continua existindo. O que era dívida externa foi transformado em dívida interna.

Sobre essas dívidas interna, externa e seu total, de forma bem resumida, os valores e comparações estão no meu artigo "A Dívida Pública ou Nada é Igual" de 30/01/2012 . Pode ser lido clicando aqui.

Nem pretendo me estender sobre os fantásticos lucros dos bancos no Brasil, sejam os nacionais como os estrangeiros. Portanto, fazendo uma comparação sobre lucros altamente expressivos, mesmo em escala global, um banco no Brasil é como ter achado a Pedra Filosofal (Lapis Philosophorum) que era um dos principais objetivos dos alquimistas na Idade Média. Com ela, o alquimista poderia transmutar qualquer "metal inferior" em ouro. Portanto, tem razão o presidente do Citi em afirmar que o Citigroup no Brasil é a joia da coroa.

Categorias:   Notícias | Artigos | Economia e Negócios | Estilo | Cultura | Esportes