Mais de 2 milhões de crianças poderão ganhar presentes neste Dia das Crianças

Economiaenegocios Notícias 23 Setembro / 2016 Sexta-feira por Gramadosite

As informações fazem parte da avaliação econômica da Fecomércio-RS, divulgada nesta quarta-feira (21). “Independentemente do contexto não muito favorável para o varejo em 2016, essas atividades costumam registrar aumento de vendas em outubro, devido às iniciativas das famílias gaúchas para presentear as mais de 2 milhões de crianças até 14 anos que vivem no Estado”, destaca o presidente da entidade, Luiz Carlos Bohn.

Dentro de um cenário restritivo, uma notícia boa para o comércio gaúcho é o fato de que as famílias vêm ajustando suas contas. A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência da Fecomércio-RS tem mostrado, nos últimos meses, uma tendência de redução do percentual de famílias com contas em atraso, após muitos meses de elevação. “Esse fator tem contribuído para gerar um pouco mais de estabilidade no comportamento das vendas e é um elemento importante para aliviar as restrições de renda disponível das famílias nesse Dia das Crianças”, avalia Bohn. Porém, levando em conta a atual conjuntura econômica e política do País, a Fecomércio-RS projeta, para a data, uma queda real próxima a 4% nas vendas do comércio varejista do Rio Grande do Sul na comparação com o mesmo período do ano passado.
As tendências demográficas que se desenham também têm um impacto importante no comportamento das vendas. De acordo com dados mais recentes do IBGE, a população com idade até 14 anos no Rio Grande do Sul soma 2,18 milhões de pessoas em 2016 e já registra uma redução de 19,3% em relação ao ano 2000. Na comparação com as projeções de 2015, a população nesta faixa etária deve apresentar queda de 1,9% em 2016, índice bastante expressivo para o intervalo de apenas um ano. “As famílias têm diminuído de tamanho e, com isso, as crianças ganharam destaque dentro dos lares. Como o Dia das Crianças se popularizou muito, os pais tendem a não deixar de presentear os filhos nessa data, mesmo que a conjuntura restritiva acabe afetando o ticket médio”, pontua Bohn.

Além do fator demográfico, somam-se os tradicionais indicadores econômicos que contribuem para a redução da intenção de compra dos gaúchos neste Dia das Crianças. Essa conjunção de fatores impacta diretamente as vendas do varejo, entre elas, a taxa de desemprego (8,70%), queda da massa real de renda (-1,92%), nível de comprometimento da renda com dívidas (20,13%), taxa de juros à pessoa física (71,94% ao ano), inflação (9,5%) e intenção de consumo das famílias em patamar bastante negativo (56,3 pontos).

“Diante desse quadro, as empresas terão que se empenhar para garantir boas vendas nessa data, que é a segunda principal no calendário do varejo para o setor de brinquedos. Nesse contexto, terão que apresentar aos clientes opções de produtos e boas alternativas de pagamento. Assim, intensificar as ações de comunicação com consumidores que já são clientes e criar mecanismos de atração de potenciais consumidores para as lojas são meios de promover a expansão dos negócios”, aconselha o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn.

Categorias:   Notícias | Artigos | Economia e Negócios | Estilo | Cultura | Esportes