Pensar não dói - Venceu o assistencialismo.

Cultura Variedades 26 Novembro / 2014 Quarta-feira por Juarez José Cognato

Passada a borrasca da eleição, a re-presidenta veio com o papo de união do país quando se sabe e se viu que foi ela e seu padrinho lula que patrocinaram a divisão, entre vermelho e azul, nós e eles, nordeste contra sudeste, brancos contra negros, elite contra pobres, etc.
Propôs também um plebiscito para a tão badalada reforma política que nunca sai, quando se sabe que esta matéria é prerrogativa do Legislativo via referendo à população.
O objetivo da proposta seria o de enfraquecer o Congresso e pô-lo à reboque de futuros desmandos petistas.
A economia entra em marcha batida rumo ao brejo.
Aumentos negados durante a campanha mentirosa pipocam de todos os lados: juros, combustíveis e energia elétrica. Crescimento ridículo e inflação sem controle.
E agora dona Dilma? A festa acabou.
O povo quer soluções e não promessas e discursos.
Respostas para a economia estagnada, o fisiologismo, a corrupção, os escândalos, a insegurança, o aparelhamento do estado.
O Brasil Dilma da Silva começou a mostrar a sua face sombria.
Fomos chamados a capitalizar a Petrobrás via aumentos para tapar o rombo com a roubalheira na empresa.
O governo dilmista perdeu o medo de afrontar o povo.
Não perdeu a vergonha, porque ninguém perde aquilo que não tem.
Se a presidenta tivesse um pouquinho de humildade poderia, num gesto de respeito ao povo destituir toda a direção da Petrobrás.
Só assim talvez conseguisse um mínimo de credibilidade para o novo mandato.
Mas sabemos que ela não terá esta humildade, vai continuar dizendo que não sabia de nada acerca da corrupção na petroleira, que a situação econômica do Brasil é provocada pela recessão mundial e não pela incompetência, e que é o seu governo quem está investigando tudo, quando se sabe que o maior escândalo da república está sendo investigado pela Polícia Federal e o Ministério Público, órgãos de estado e não do seu governo.
O trabuco da Dilma negou fogo.
Quando um banqueiro rejeita assumir a Fazenda é porque a coisa vai mal.
Quem aceitar vai ter seus quinze minutos de glória e em seguida vai sentir falta de autonomia, pois a governanta dá palpites furados em todas as áreas, bate na mesa, esbraveja e diz palavrões, afinal, ela se diz doutora em Economia.
Humberto Costa, o senador líder do PT no Senado foi acusado por delator premiado de também receber verba do petrolão para sua campanha política de 2010.
Se aligeirou em colocar seu sigilo bancário a disposição da justiça, como se isto fosse suficiente e não uma piada. Seria muito burro, e burro ele não é, receber a propina em suas contas.
Sigilos fiscal, bancário e telefônico não comprovam mais nada.
A estrela do PT está vazando óleo por todos os lados.
O titanic vermelho bateu no iceberg petroleiro e afunda lentamente.
Os ratos estão apavorados.
Parodiando Shakespeare, dos políticos sobrevive o mal que fazem e o bem quase sempre é enterrado com seus ossos.

Categorias:   Notícias | Artigos | Economia e Negócios | Estilo | Cultura | Esportes