Olhares do tempo

Cultura Poesia 21 Agosto / 2017 Segunda-feira por Cassiano Santos Cabral

Olho...

Nos olhos despidos do tempo
Sob o manto das saudades
E da visão sombria
Dias nebulosos
Neblinas constantes
Eternizam momentos
Que não findam
E permanecem como lembranças
Como vértice dos sonhos
Sob os cílios da poesia
Repousando na hibernação
Sob o signo do vento

Olhares múltiplos
Que se fundem em horas
Multiplicadas em estações
Nas mãos: a poesia
Nos olhos: o sol
Restam ombros cansados
De tantas caminhadas
Ausências...

Presença constante da rima
Inspiração que sublima
E que dormita no ser
Em tardia floração...

Olhares de inverno
Paisagens de agosto
Canções celestes
E caminhadas estrelares
Nas muitas luas
Imaculado sentimento
Feito de pão e de sonho
Tal qual o trigo da criação.

Categorias:   Notícias | Artigos | Economia e Negócios | Estilo | Cultura | Esportes