Jovem empresário do setor de palestras renova negócio e faz empresa não perder com a pandemia

Economiaenegocios Pessoas 29 Outubro / 2020 Quinta-feira por Gramadosite

Para controlar a pandemia de covid-19, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou o distanciamento social. Medida que foi adotada pela maioria dos países. Como consequência, diversos setores da economia, inclusive o mercado de palestras e cursos, foram bastante afetados. Repentinamente, atividades que tinham como essência a reunião presencial de centenas e milhares de pessoas, tiveram que ser canceladas. Isto causou e ainda causa grandes prejuízos financeiros ao setor.

O Instituto Gente, que disponibiliza cursos, treinamentos, mentorias e vivências para quem almeja ter uma vida em alta performance, conseguiu escapar dessa crise. Muito por causa da atuação de Arthur Shinyashiki, CEO do Instituto Gente, empresário, administrador com ênfase em marketing e palestrante especializado em desenvolvimento profissional e em negócios. Assim, que compreendeu a gravidade da situação em que o mundo estava adentrando, Arthur migrou todos os seus produtos para o ambiente online.

O palestrante em desenvolvimento profissional e negócios precisou agir rápido. Ele recorda que no início do ano, antes de estourar a pandemia, o instituto já estava com vários eventos agendados e pagos, entre os quais o Now Experience, treinamento de imersão visando à alta performance, para 3 mil pessoas ; o Negócio de Palestras, que ocorreria no Memorial da América Latina; e aproximadamente 15 cursos para 40 a 50 pessoas cada. “Foi um grande desafio precisarmos nos reinventar do dia para a noite. Detectamos o potencial do mercado online para cursos e palestras e resolvemos apostar nele”, diz.

O palestrante considera que a tomada de decisão rápida foi essencial para que o negócio não sentisse fortemente os efeitos da pandemia. Pelo cenário que se desenhava já em março, e pelo conhecimento de que pandemias não se desfazem assim tão rapidamente, Arthur imaginou que o mercado voltasse à normalidade apenas em 2021.”Mesmo que houvesse amparo legal para um retorno precipitado, com 38 anos de história e uma missão a cumprir balizada por princípio éticos, o Instituto Gente acreditou que seria melhor esperar pela criação da vacina e enquanto isso exerceria sua atividade de maneira online”, relata.

A ideia de transformar seus eventos presenciais em cursos e palestras online, além de ser uma estratégia de sobrevivência, pode ter sido uma ótima oportunidade agarrada pelo Instituto Gente, haja visto o potencial deste mercado. Dados do último Censo EAD, realizado pela Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), informam que cerca de 561 mil alunos fazem cursos à distância regulares, 217 mil participam de cursos semipresenciais e mais de 1 milhão de alunos de cursos livres corporativos.



Flow

Foi aí também que surgiu o Flow, curso criado especialmente para plataforma online, visando atender a um público que sofre os efeitos do distanciamento social acarretado pelo surgimento da pandemia. De acordo com Arthur, em menos de um mês do início das medidas de combate a pandemia no Brasil, o Flow foi desenvolvido e apresentado online para cerca de 2 mil pessoas. “Muito provavelmente nós fomos a primeira empresa do segmento de palestras a fazer isso, mesmo antes dos grandes players do setor “, afirma.

Segundo Arthur, o conteúdo e o formato do novo evento foram decididos após um longo período de pesquisas com o público-alvo. “Nesses levantamentos constatou-se que as principais preocupações das pessoas, naquele momento, eram relacionadas à carreira e ao dinheiro. Resolvemos direcionar nossas palestras a ajudar comportamental, mental e emocionalmente às pessoas a lidar com estas questões”, conta.

Em relação ao formato do curso, concluiu-se que os eventos do Instituto Gente normalmente ministrados durante três dias, incluindo o final de semana, com cerca de 14 horas de duração diária, não eram mais viáveis. Isto porque as pessoas começaram a ter mais atribuições durante a pandemia que as impossibilitava de despender finais de semana e muitas horas do dia para a participação em eventos. “Sentada em casa, com dezenas de interrupções, assistindo pela tela, a Egrégora (força espiritual criada a partir da soma de energias coletivas) não se forma e consequentemente a pessoa não consegue ter o nível de profundidade e foco necessários”, explica o palestrante.

Aproveitando o formato online, Arthur desenvolveu um novo modelo de curso, com menor carga horária e que não tomava os finais de semana dos participantes, já tão estafados por conta dos desdobramentos da pandemia. “Foram 3h30 diárias, durante cinco dias na semana “, comenta. Além disso, a fim de tornar o curso mais atrativo, optou-se por incrementá-lo com atividades de entretenimento. Um exemplo disso foi o Power Express, no qual um palestrante teve as suas habilidades lapidadas durante 15 dias para se tornar um profissional mais capacitado ainda.
A fim de buscar maior interatividade e engajamento do público, o Flow promoveu gincanas oferecendo prêmios a quem encontrasse um livro do Roberto Shinyashiki, por exemplo, ou uma apostila do evento etc. “Eu não consigo ter o mesmo poder de influência ante o participante online do que em relação ao participante presencial, por isso é importante movimentá-lo, engajá-lo, favorecendo a absorção de informação”, relata o empresário.

Conforme o palestrante, o sucesso do Flow constatou-se a partir do Net Promoter Score (NPS) – métrica de satisfação do cliente. Em uma escala de 0 a 10, o evento alcançou o patamar de 8.9. “Foi um valor muito alto, que se refletiu no montante de vendas dos produtos que costumam ser comercializados durante os eventos do Instituto Gente. Os números atingidos no Flow se mantiveram proporcionais aos números obtidos nos eventos presenciais “, destaca.


Experiência que veio para ficar

O palestrante especializado em desenvolvimento profissional e em negócios acredita que a experiência de cursos e palestras digitais não é algo que terminará após o fim da pandemia. Nesse sentido, mais produtos para funcionar nesta plataforma foram e estão sendo desenvolvidos. Para os eventos de mentoria, por exemplo, a organização enviou uma série de acessórios ao público, fomentando um maior dinamismo e interatividade no que se refere às atividades. De acordo com Arthur, em razão dessas novas estratégias, a entrega de conteúdo e a transformação por qual passa o participante se manteve no mesmo nível dos cursos presenciais.

Na última edição do Now Experience, o instituto utilizou uma tela de LED de 60 metros em que foram mostrados os participantes. Um progresso e tanto, tendo em vista que as edições iniciais do Flow, em abril, foram realizadas com uma tela de LED de 2 metros. Além disso, Arthur teve à sua disposição três cenários diferentes, possibilitando maior liberdade para circular. “Dessa forma, eu pude ver e ouvir melhor os alunos e aumentei minha interação com eles “, explica Arthur.

A experiência online também facilita a participação do aluno no evento. Antes, após uma atividade como, por exemplo, meditação do Osho, o participante deveria aguardar uma hora no local até o próximo exercício. Agora, é possível que ela utilize esse tempo vago para relaxar em sua casa. “Começamos a ver uma certa beleza e riqueza em fazer desse jeito “, diz o empresário.

Outro ponto positivo das palestras e curso online é o custo. Os participantes economizam passagem, hospedagem e deslocamento. Além disso, o Instituto Gente consegue transferir o custo menor de produzir o evento digital para o ingresso do aluno, com um preço mais barato.

Categorias:   Notícias | Artigos | Economia e Negócios | Estilo | Cultura | Esportes