Ideias absurdas (hoje) para um Brasil melhor (amanhã)

Economiaenegocios Artigos 24 Setembro / 2012 Segunda-feira por Georges Le Brun De Vielmond

Pretendo, apenas, expor algumas opções susceptíveis de melhorar uma área, "a Política", que impede o Brasil de usar todos os benefícios duma situação das mais privilegiadas do nosso planeta.

Sabendo que, por motivos óbvios, minhas sugestões só vão causar risadas dos "interessados", chamei-as de absurdas.

Considerando que administrar a Nação é uma honra para poucos, os candidatos a cargos eletivos deveriam cumprir certas exigências:

# alfabetização (ler, escrever e entender texto). Não falei em diploma, já que diploma significa cada vez menos inteligência, bom senso e não tem absolutamente nada a ver com moralidade e honestidade (no sentido amplo);

# ficha limpa na justiça;

# idade mínima de (?) anos;

# ter exercido, efetivamente, uma profissão durante (?) anos;

# teste de sanidade mental;

# teste de personalidade;

Aprovados nesses requisitos (eliminatórios), os candidatos teriam que completar um curso, federal, incluindo, entre outros: noções básicas de Política, Ética, Historia, Sociologia, Economia, Finanças Públicas, Urbanização, Matemática Elementar e Informática. Por que não ? se até para conseguir licença de pescador, precisa fazer um curso na Marinha.

Outras medidas poderiam ser adotadas para melhorar o sistema:
# representação proporcional às condições demográficas e econômicas dos Estados;

# sincronizar as eleições;

# voto distrital;

# implantar efetivamente a fidelidade partidária;

# vereança: seria o início da carreira política (retribuição só com jetons);

# partidos: até três;

# mandato: obrigação de terminar;

# cargos em comissão: limitação drástica; substituídos por funcionários públicos ou contratados especiais por tempo limitado mediante comprovação da necessidade;

# cassação dos direitos políticos a vida por crimes cometidos contra o patrimônio Público;

# substituição de encarcerações por serviços comunitários;

# pena dobrada para corrupção;

# confiscação efetiva de bens para compensar as apropriações indébitas;

# Tribunal Especial (não foro privilegiado) para julgar os crimes políticos;

# criação de órgão controlador externo constituído por representantes da Sociedade;

# nomeação de altos cargos públicos por mérito, não mais por indicação política;

# proibição de legislar em causa própria sobre benefícios diretos ou indiretos;

# funcionários públicos: cada (?) anos serão avaliados para prorrogar seu contrato ou demitidos se a avaliação for negativa.

# regulamentação dos ajustes salariais;

# restrição do direito de greve.

# substituir a "etiqueta" PODER por ADMINISTRAÇÃO quando designar um orgão público.

Na outra face da moeda entram os "eleitores" que vão ajudar a renovar a classe política , modernizar nossa democracia e dar impulso a nossa economia. O caminho é a EDUCAÇÃO, que proporciona o maior retorno sobre o investimento para o bem social e econômico de qualquer
nação. Resta a resolver dois problemas: o financiamento e o "Modus Operandi". Para se igualar às regiões mais desenvolvidas: 10 % a 12 % do PIB, como primeira aproximação, seriam necessários. Hoje essa rubrica, no Brasil, alcança cerca de 5 % - poucos recursos e mal utilizados.

No momento, está transitando em Brasília um projeto destinando 10 % do PIB (o que não parece do agrado do governo). Se virar lei o item investimento será resolvido inicialmente, conquanto não haja "derivações" para outros fins.

No que diz respeito ao planejamento e a execução do plano de reforma da da Educação o ENSINO FUNDAMENTAL (para todos) é de prioridade alta.

O segundo ciclo devera ser reformulado para atender as necessidades do Brasil. Quanto ao terceiro ciclo terá o encargo de formar menos advogados e mais engenheiros, cientistas e administradores públicos com A maiúsculo). Para cortar o caminho, a solução preconizada consiste em dar bolsas a "jovens talentos" para estudar nas.melhores universidades do mundo.

Agora ficou esclarecido o título do presente artigo: Ideias absurdas (hoje) para um Brasil melhor (amanhã)!

Tags:   Vielmond

Categorias:   Notícias | Artigos | Economia e Negócios | Estilo | Cultura | Esportes