Projeto caxiense serve de modelo para o país

Noticias Meio Ambiente 05 Novembro / 2013 Terca-feira por Gramadosite

Renato Grahal, gerente operacional da Taschibra (uma das maiores importadoras de lâmpadas e fabricante de luminárias do Brasil, com mais de 600 colaboradores, e uma produção mensal de 350 mil peças) esteve em Caxias do Sul (RS) na última sexta-feira (01/11) para conhecer o programa Recicla-Lâmpada - Lâmpada no lixo, nunca mais. A cidade é pioneira na aplicação da logística reversa para o segmento no Brasil. "Os lojistas e consumidores de Caxias estão muito à frente. Parece que entenderam a importância do descarte correto das lâmpadas, o que ainda não acontece no resto do país", concluiu Grahal.

O gerente operacional da Tascibra visitou três empresas comerciantes de lâmpadas que participam do Recicla Lâmpada em Caxias do Sul, acompanhado de Mario Sebben (coordenador do Comitê Temático para Eletroeletrônicos do Banco de Resíduos da Fundação Gaúcha dos Bancos Sociais - FIERGS - e integrante do GTT Lâmpadas, grupo de trabalho encarregado de implementar os processos de logística reversa de lâmpadas no Brasil, junto do Ministério do Meio Ambiente), e do gerente comercial da Apliquim Brasil Recicle, Lucas Kehrwald.

Comerciantes assumem responsabilidade pela logística reversa

Gustavo Flores, proprietário da loja de materiais de construção Comprare, localizada no bairro Planalto, aderiu ao Recicla Lâmpada há dois meses e recolhe cerca de 220 unidades por mês. "Eu sei que o descarte vai ser feito de uma forma correta, então eu fico mais tranquilo em poder oferecer essa alternativa para os meus clientes", explica Flores. "Eu vejo pessoas aqui da minha região quebrando e jogando as lâmpadas no lixo. Isso é muito perigoso, por isso eu mantenho o ponto de coleta aqui na loja", explicou Amarildo Rabelo, proprietário da loja Rabelão, que fica no bairro Cruzeiro. Ele participa do programa desde o seu lançamento, em 2011. Rabelo também encaminha para a Apliquim Brasil Recicle cerca de 300 lâmpadas por mês.

Já a Realcenter, no bairro Lurdes, recolhe até 3 mil unidades. A revendedora de lâmpadas é quem arca com o custo da descontaminação (aproximadamente um real por unidade). "Sabemos que não é nossa obrigação receber as lâmpadas dos clientes, mas encaramos como uma responsabilidade. Não repassamos o custo para os clientes e isso é também, nosso diferencial na hora de fechar o negócio", defendeu Patrícia Scopel, fiscal contábil da empresa.

A Apliquim Brasil Recicle é a responsável pela coleta das lâmpadas recolhidas pelas lojas cadastradas no Recicla Lâmpada - Lâmpada no lixo, nunca mais, em Caxias do Sul. Em média, são coletadas pela ABR na cidade, cerca de 20 mil lâmpadas por mês. "Para a empresa isso não representa um ganho econômico muito expressivo (aproximadamente 20 mil reais mensais), mas o ganho está em amenizar o risco potencial que essas lâmpadas representariam espalhadas por ai, contaminando o meio ambiente e as pessoas", explicou Mario Sebben.

Taschibra elabora projeto inspirado no modelo caxisense

Agora, a Taschibra deve criar um programa similar em Indaial (SC), onde fica a sede da empresa. No mesmo município também encontra-se a central de descontaminação de lâmpadas da Apliquim Brasil Recicle. "Temos uma das maiores importadoras de lâmpadas e produtoras de luminárias do Brasil na mesma cidade em que está sediada a maior descontaminadora de lâmpadas do país. Por que não desenvolver uma parceria que beneficie toda a sociedade e que previna o dano ambiental?", propôs Grahal.

Afonso Schreiber, presidente da Taschibra é ta mbém presidente da Associação Brasileira de Importadores de Produtos de Iluminação (Abilumi), entidade que, junto com a Associação Brasileira da Indústria de Iluminação (Abilux), irá definir o modelo de logística reversa para lâmpadas a ser adotado no Brasil.

O projeto para Indaial está sendo elaborado pela Thaschibra e deve ser implantado no próximo ano.

Programa Recicla Lâmpada - Lâmpada no lixo nunca mais

Iniciativa pioneira no Brasil é exemplo de aplicação da nova Política Nacional de Resíduos Sólidos, exigida pela lei 12.305 de 2010

O programa lançado em 2011 em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente de Caxias do Sul (SEMMA), Associação dos Comerciantes de Material de Construção de Caxias do Sul (ACOMAC), Associação Brasileira de Importadores de Produtos de Iluminação (Abilumi) e a Apliquim Brasil Recicle (especializada na descontaminação com recuperação de mercúrio), busca estimular empresas e consumidores a levarem suas lâmpadas fluorescentes queimadas para lojas que encaminham este resíduo para o descarte adequado.

Essa atitude evita que as lâmpadas sejam descartadas no lixo comum, contaminando o meio ambiente e trazendo prejuízos à saúde da população. Quando mal descartadas, as lâmpadas podem liberar mercúrio, um metal altamente tóxico e volátil, que está contido no interior do produto. O mercúrio é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como uma das 10 substâncias químicas mais perigosas para a saúde pública.

As lojas associadas à ACOMAC funcionam como postos de coleta e encaminham as lâmpadas usadas à Apliquim Brasil Recicle, empresa responsável pela descontaminação e reciclagem dos componentes e recuperação do mercúrio. Ao serem entregues nas lojas, as lâmpadas são devidamente embaladas e estocadas em um local apropriado, para depois serem recolhidas pela ABR.

Hoje sete lojas (que integram o programa Recicla Lâmpadas) recebem lâmpadas diretamente do consumidor em Caxias do Sul. São elas:

Loja Siema - no bairro São José

Loja Rabelão - no bairro Cruzeiro

Loja Real Center - no bairro Nossa Senhora de Lourdes

Loja Novello - no bairro São Ciro

Loja CLG - no bairro Serrano

Loja Comprare - no bairro Planalto

Loja Maxiutil - no Bairro Pio X



As empresas de Caxias do Sul que quiserem aderir ao programa podem contatar a ACOMAC pelo telefone (54) 3221.2997 ou pelo site www.acomaccaxias.com.br.

Categorias:   Notícias | Artigos | Economia e Negócios | Estilo | Cultura | Esportes